WhatsApp do Vestiprovas
Compartilhar

Responder Questão:

São Paulo ESPM 2013.2 Questão: 59 História Geral 

 

 

 

O desenvolvimento fabril brasileiro estava em sua infância. O exíguo grupo capitalista organizado em oligarquia patronal que havia se lançado à criação de fabricas, estabelecera seus cálculos sobre uma base salarial baixíssima, salário de escravo, exploração brutal do braço humilde que se encontrava em abundância no país, gente de pé descalço e alimentação parca. E quanto à moradia, estava confinada a barracões em fundo de quintal, em porões insalubres, em casebres geminados (cortiços) próximos às fábricas e pelos quais pagava de aluguel mensal 15, 20, 30 mil reis. Esse proletariado fabril, em grande parte feminino e constituído de mocinhas, era o preferido para a industria têxtil, trabalhando das 6 da manhã às 8 horas da noite, com uma hora intermediária para o almoço. A anemia e a tuberculose faziam abundante ceifa anual.

(Everardo Dias. História das lutas sociais no Brasil)

Para protestar contra a situação (apresentada pelo texto), os operários criaram sindicatos. A greve era a principal arma de luta contra a exploração. Muitos dos operários e sindicalistas eram estrangeiros, principalmente portugueses, espanhóis e italianos. Em tal contexto, a Lei Adolfo Gordo criada pelo governo da República Velha, em 1907:

 

 

 



TEMPO NA QUESTÃO

Relógio00:00:00

Gráfico de barras Meu Desempenho

História Geral

Total de Questões: ?

Respondidas: ? (0,00%)

Certas: ? (0,00%)

Erradas: ? (0,00%)

Somente usuários cadastrados!

Postar dúvida ou solução ...